segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

II Encontro Campista na visão da Podinha

Eu sei que estamos em dívida com vocês amigos e seguidores... mas acreditem a demora na postagem sobre o II Encontro dos Blogs Campistas teve uma boa justificativa, estávamos de férias e até nós blogueiros, temos direito ao merecido descanso e aquele “fazer nada” tão esperado por todo o ano rs! A parte chata disso tudo é que a única acampada que rolou foi mesmo o Encontro lá em Joanópolis, do mais a barraca ficou no armário e nós no sofá :)
Mas como esta postagem é sobre a acampada compartilhada entre blogueiros e seguidores do universo campista, vamos lá:
Podemos começar dizendo que não haverá muito o que falar rs... praticamente nada saiu como programado e como todos devem saber São Pedro não colaborou :(
Como planejado saímos da sede da Podinha, no ABC Paulista, sábado pela manhã, no carro além de toda a tralha estavam Camy, Pedro, Beiba, Doug e Gabriela (também conhecida como Búfala). O trânsito chatinho na capital atrasou nossa chegada, mas fora isso o percurso foi tranqüilo e rápido.
Chegamos no Camping do Zé Roque por volta do meio dia e encontramos o pessoal do Camping & Família já instalados. Ai foi aquela coisa, descarregar o carro, montar as barracas, arrumar a tralha e o sol comendo solto durante todos estes afazeres. Foi a galera puxar a cadeira e começar a pensar no almoço que o tempo deu  a primeira virada... era o prenuncio de que águas iriam rolar. O vento estava tão forte que mesmo com a cozinha instalada no gazebo não havia condições de cozinhar ali, as bocas do fogão portátil não se mantinham acesas devido a ventania. Mas sabe como é, a galera tinha fome depois de montar acampamento e com vento ou sem, o rango tinha que sair rs. A solução foi cozinhar em um dos fogões a lenha de uso comunitário que o camping deixa a disposição dos hóspedes.
 
Ao menos conseguimos almoçar antes da chuva chegar, mas foi só isso que conseguimos fazer literalmente, porque poucos minutos após nos alimentarmos a água desceu forte do céu e o jeito foi se abrigar nas barracas. Ai você já sabe, cansaço da viagem e montagem, mais barriguinha cheia, mais chuva, mais nada pra fazer é igual a SONINHO hahaha... dormimos até as seis da tarde, hora em que a chuva deu uma trégua!
Quando acordamos esta era a imagem que tinhamos do camping.
 
Metade das barracas estavam alagadas, alguns desistiram do feriado e partiram. O mais estranho era que até aquele momento nada do restante da galera do Encontro aparecer. Mais tarde ficamos sabendo que os amigos do Trips tinham batido o carro na estrada enquanto vinham em nosso Encontro, graças a Deus ninguém se machucou, mas acabou miando os planos deles (mas calma ai Tih, Mari e Pi, ainda vamos conseguir acampar juntos novamente). Já o pessoal do Dormir com um Milhão de estrelas teve um imprevisto e acabou não podendo comparecer.
Com isso o churras de confraternização acabou rolando entre a Podinha e o Camping & Família... um churrasco meio acanhado, por conta da garoa que volta e meia se fazia presente, mas regado a cerveja e muiiiiiiita conversa (afinal quer momento melhor pra tocar figurinha sobe camping que um legítimo churras campista?!)




Domingão acordou com cara uma cara meio indefinida e como já sabíamos Ricardo, Laryssa e as meninas precisavam partir e então o Encontro virou uma acampada da trupe da Podinha mesmo... por falar nisso, alguns seguidores dos blogs estavam presentes, passaram timidamente pra nos dar um oi, mas acabaram ficando mais distantes, então aproveito o momento pra dar o aviso: Galera que segue o blog, os Encontros são de todos nós, vocês são parte importantíssima, então se esbarrarem conosco nos Campings da vida, fiquem a vontade para puxar a cadeira e bater um papo, adoramos conhecer vocês!!!
Aproveitamos que o tempo deu uma firmada e corremos conhecer a Cachoeira dos Pretos. 
 
 
 
 
 
 
 
Aqui acaba a parte boa gente, pois voltando da cachoeira almoçamos e pouco tempo depois lá veio o vento e a chuva de novo. Os meninos tinham ido até o centro da cidade para comprar uns itens faltantes quando a chuva apertou, o resultado foi um apagão que durou um tempão, e enquanto isso começava a anoitecer e logo virou aquele breu. As meninas se abrigaram na barraca mais uma vez e ficaram observando a chuva pela janela da T 6.2.
Os garotos chegaram sãos e salvos e com eles a eletricidade... não que tenha refrescado alguma coisa, pois não dava pra fazer absolutamente nada do lado de fora. Beliscamos umas bolachas como janta, já que o pastel previsto para a noite sairia encharcado de água ao invés de óleo. Nós cinco permanecemos por bastante tempo na saleta da barraca conversando, rindo e bebendo, até que fosse tarde o suficiente pra dormir.
 
No dia seguinte, mesmo com chuva começamos a juntar a tralha e na primeira trégua que a chuva deu desmontamos a barraca e fomos embora!!!